sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Blog em construção

BRASIL: Mujeres de São Gonçalo se sobreponen a injusticias climáticas

por Fabiana Frayssinet, IPS Inter Press Service, Novembro de 2011

En São Gonçalo, una de las ciudades de Brasil con mayor índice de pobreza, un grupo de mujeres logró sobreponerse a las inundaciones que en 2010 les arrebataron lo que tenían. Asociadas en Las Mujeres de Salgueiro, ellas saben bien lo que es enfrentarse a las injusticias climáticas y también lo que es levantarse, mediante pequeños emprendimientos.

Las mujeres son las mayores víctimas de los efectos del calentamiento global, pero al mismo tiempo las que primero reaccionan y levantan las banderas de la lucha en la mitigación y la adaptación al cambio climático, dijo a IPS Janete Guilherme, coordinadora de la asociación comunitaria. “Los hombres vienen detrás”, aseguró.


quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Brazilian Women Rise Above the Waters

An excited Rosemere Souto unpacks her brand-new industrial sewing machine. Credit:Fabiana Frayssinet /IPS

By Fabiana Frayssinet, IPS, 01/09/2011

SÃO GONÇALO, Brazil, Sept 1, 2011 (IPS) - Almost a year and a half after floods wreaked havoc in a large part of the state of Rio de Janeiro, a group of women are struggling to rebuild their lives. They lost everything except their will to pick themselves up again and make the best of the aid they receive, to become self-sufficient again.

When Elisete dos Santos came home from work on the night of Apr. 5, 2010, the water was already up to her calves.

The storm had started in the morning and by four a.m. the following day the water had covered half of her house in Conjunto da Marinha, a "favela" or shantytown in the southwestern Brazilian city of São Gonçalo, some 40 kilometres across the bay from Rio de Janeiro.

"My main concern was how to get my kids out safely. My daughter almost drowned when we were getting out of there," a teary-eyed dos Santos told IPS.

Thirty-nine-year-old dos Santos is a single mother with a 16-year-old teenage son and a 10-year-old daughter, and everything she owned had been obtained through hard work and enormous sacrifices. The minimum wage of 200 dollars a month she makes working as a saleswoman is not enough to live on so she supplements her income working from home making craft jewellery.

After she dropped her family off at a temporary shelter in a nearby church, she went back to her house to try to rescue some of their belongings – to find that the water had risen up to neck level.

She was able to salvage the national identity cards of all the members of the family, but many other seemingly insignificant objects that were just as much a part of their identity – family photos, cherished items and small mementos gathered over a lifetime – were irretrievably lost under the water and mud that covered her home. Also ruined were the tools and materials she used to make the earrings, bracelets and necklaces she sold.

Elisete dos Santos displays some of the jewellery made with the craft tools donated by CARE. Credit: Fabiana Frayssinet /IPS

"I was devastated. You work so hard and make great sacrifices, every step forward takes such a huge effort, only to lose it all in a day," she told IPS, now settled in her new home.

"But material things can be recovered with time and life goes on. That’s what’s important. You can’t give up," she said as she remembered how some of her neighbours were not as strong as she was and "gave in to depression."

She was not a homeowner so the government did not consider her eligible for rental assistance as a flood victim. Still, she managed to rent another makeshift dwelling, though she struggles every month to come up with the payments.

She had better luck on the job front, however, as the Brazilian chapter of the international humanitarian organisation CARE has donated two machine tools for her work: a welding machine and a grinder, both essential for her craft making.

"I sell costume jewellery to stores and sometimes in street markets and the money I make helps me pay the rent. I also use that money to buy food for my kids: rice, beans, milk, that sort of thing," she said.

In this city alone, CARE helps 114 women who work on their own as craft makers, seamstresses, manicurists and cooks and who lost everything to the floods.

Their greatest loss was "their production capacity, the equipment and raw materials necessary for their work and to support their families," Leila Menezes, head of Care Brazil’s Climate Change and Disaster Response Programme, told IPS.

These women received work instruments, including sewing machines, washing machines, street vendor carts, computers and freezers, and have participated in business improvement courses.

CARE chose São Gonçalo under their aid programme for women victims of natural disasters because it is the second poorest city in Brazil and has one of the highest rates of violence.

In 2010, flooding from swollen rivers and landslides affected some 10,000 families in this city of almost one million people. A total of 473 people died in the state of Rio de Janeiro and the material losses were incalculable, as a result of the worst flooding the state had seen in 46 years.

Oceanographer David Zee attributed the unusually high rainfall to climate change, which he said was compounded by local causes, such as slope soil erosion due to deforestation, irregular riverside settlements and uncontrolled urban sprawl.

In São Gonçalo these causes were further aggravated by its lowland location and a historical lack of public spending on low-income housing, stormwater drainage systems and garbage collection services.

While the municipal, regional and federal governments are now trying to make up for lost time, Rosemere Souto, another flood victim who lives in the Salgueiro favela, is taking matters into her own hands to help her community.

"I try to explain to them (the neighbours) that if you dump your garbage into the river, it’s going to make the river overflow. But a lot of people just don’t understand," Souto, who received an industrial sewing machine from CARE, told IPS.

As a member of the women’s group Las Mujeres de Salgueiro, she is determined to achieve two goals: boost her income and raise environmental awareness.

With her new sewing machine she plans to make accessories with tilapia fish skin. Tilapia is a fresh and salt water fish that is very common in the area, so the raw material for her crafts is obtained at low cost from local small-scale fishers. The skin used to be discarded and dumped into the river, where it took five years to decompose. This way, Souto not only helps herself and her family, she protects the environment.

"The floods really did me in. I was broke," Souto says. But according to this 48-year-old mother and grandmother married to a shipyard worker, "the best thing to do in those cases is work even harder and help others with words, raising awareness about our planet."

Menezes said that when environmental disasters strike, poor women are the most vulnerable group.

Which is why in its efforts to combat poverty and rebuild the local economy, CARE focuses particularly on women, because they are usually "mothers, who contribute significantly to supporting their families with their small-scale ventures," she added.

Menezes, a psychologist who specialises in socio-environmental conflict resolution, stressed that when these women "have access to the resources they need, their families are more likely to get back on their feet."

Supporting the economic recovery and resilience of the victims of natural disasters is the kind of response that makes it possible "to transform their living conditions, because it promotes local economies and social development and contributes to fighting poverty," she added.

As of 2007, Brazil’s Department of Women’s Policies (SPM) has prioritised "sustainable development with a gender and environmental justice approach" as one of its key policy issues, and seeks to mainstream this concept throughout the initiatives implemented by the various ministries.

SPM head Iriny Lopes told IPS that women are most vulnerable to environmental disasters, among other reasons, "because of their role as caregivers of children, the elderly and the sick.

"Any change that affects water sources or access to water, for example, will have a direct impact on the lives of women, as they will have to work double hard to ensure their family’s care," she said in an email response.

She also underlined other factors that contribute to their vulnerability: women have to juggle their domestic responsibilities with their remunerated jobs where, moreover, they are usually paid less than men and have worse working conditions.

Souto knows these difficulties only too well, and now that she has become an environmental activist she is eager to teach other women "to fish and not just receive the fish."

"Because the food we receive in aid soon runs out. But with a work tool you can have everything," she said smiling as she proudly showed off her brand-new industrial sewing machine, which she will "use to stitch the fish skin."

Leia o original aqui: IPS/ Climate Change

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

As Guerreiras no SBT Repórter

por Izabel Cristina Bastos Andrade Pareto

Muito obrigada ao Marco Alvarenga e à equipe de reportagem do SBT Repórter pelo prazer que nos deu por ter vindo a nossa comunidade mostrar não somente o descaso em que temos sofrido das autoridades governamentais, mas também mostrar as mulheres guerreiras que somos e que venceremos graças a força que temos recebido de ação humanitária e de alguns parceiras doadores, e á Leila Soraya Menezes coordenadora do projeto de reposição dos kits produtivos para as mulheres atingidas pelas enchentes em São Gonçalo e a CARE Brasil, vai o nosso maior obrigado. Saiba que jamais esqueceremos da atenção e da força que nos tem dado. Um abraço a todos.

Veja a matéria aqui

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Brasileiras lutam para retomar suas vidas após enchentes

por Fabiana Frayssinet, da IPS. Envolverde, 25/08/2011

Rosemere Souto, entusiasmada com sua máquina de costura industrial. Foto: Fabiana Frayssinet /IPS

São Gonçalo, Brasil, 25/8/2011 – Quase um ano e meio depois das inundações que atingiram boa parte do Estado do Rio de Janeiro, um grupo de mulheres afetadas luta pela retomada de suas vidas. Perderam tudo, menos a vontade de se levantar novamente, ainda mais agora que contam com ferramentas de trabalho para fazê-lo. Quando Elisete dos Santos voltava do trabalho para casa na noite de 5 de abril de 2010, a água chegava até sua panturrilha. O temporal havia começado pela manhã e às quatro da madrugada seguinte a água já invadia metade de sua casa no Conjunto da Marinha, uma favela de São Gonçalo, cidade a 40 quilômetros do Rio de Janeiro, na outra margem da profunda baía que compartilham.

“Minha preocupação era tirar meus filhos dali. Quando saímos, minha casa foi engolida pela água”, contou Elisete à IPS, com os olhos marejados de lágrimas. Com 39 anos, criou sozinha seus filhos, um jovem de 16 e uma menina de dez, e tudo o que tinha era fruto de uma vida de sacrifícios. Trabalha em uma loja onde ganha salário mínimo e para sobreviver completa sua renda fazendo bijuterias em casa.

Quando deixou sua família alojada em uma igreja próxima e voltou para onde ficava sua casa na tentativa de resgatar alguns pertences, a água chegava ao pescoço. Recuperou os documentos de identidade de todos, mas debaixo da água e da lama ficaram identificações menos tangíveis, como fotos familiares, objetos e muitas recordações. Elisete também perdeu as ferramentas e o material para confeccionar pulseiras, brincos e colares.

“Senti muita tristeza. A gente trabalha com tanto sacrifício, conquistando cada coisa e, de repente, perde tudo”, disse à IPS em sua nova casa. “Mas o material se recupera com o tempo e o importante é que a vida continue. Não se deve desistir”, afirmou ao lembrar alguns vizinhos que “caíram na depressão”. Ela já conseguiu alugar outra casa precária difícil de pagar, porque o governo lhe negou a ajuda do aluguel social que destinou às vítimas das inundações porque não era proprietária.

Mas a divisão no Brasil da organização humanitária internacional Care doou a ela duas máquinas fundamentais para seu trabalho: uma soldadora e uma retificadora que estão para chegar às suas mãos, para que possa fabricar suas bijuterias. “Vendo nas lojas e às vezes na feira, e serve para complementar minha renda. Com o que ganho compro comida para meus filhos: arroz, feijão, leite, essas coisas”, disse. Somente em São Gonçalo a Care ajuda 114 mulheres autônomas, entre artesãs, costureiras, manicures e cozinheiras que perderam tudo nas inundações.

A maior perda foi “sua capacidade produtiva, os equipamentos e a matéria-prima dos quais dependia sua produção e o sustento da família”, explicou à IPS Leila Menezes, coordenadora do Programa de Mudanças Climáticas e Resposta a Desastres da Care Brasil. O grupo recebeu instrumentos de trabalho como máquinas de costura, lavadoras, carrinho para vendas ambulantes, computadores e congeladores, além de participar de cursos para melhorar seus negócios.

Dentro do programa de ajuda a mulheres vítimas de tragédias climáticas, a Care escolheu esta cidade por ser a segunda mais pobre do Brasil e registrar um dos piores índices de violência. As enchentes fluviais e os deslizamentos de 2010 afetaram cerca de dez mil famílias de São Gonçalo, com quase um milhão de habitantes. Em todo o Estado houve 473 mortes e extraordinária perda material. Foram as piores inundações no Estado em 46 anos.

O oceanógrafo David Zee atribuiu o elevado índice de precipitações às alterações climáticas globais e a causas locais, como erosão das encostas pelo desmatamento, ocupação irregular das margens dos rios e expansão urbana desordenada. Em São Gonçalo, à sua localização em uma área baixa se soma a histórica falta de investimento do Estado em moradia popular, drenagem pluvial e coleta de lixo. Os governos municipal, estadual e federal agora buscam recuperar o tempo perdido, enquanto Rosemere Souto, outra vítima das inundações, residente na favela do Salgueiro, assume sua responsabilidade com a comunidade.

“A gente tenta explicar aos moradores que se jogar lixo no rio ele transbordará, mas muitos não entendem”, disse à IPS Rosemere, que recebeu da Care uma máquina de costura industrial. Agora ela integra a organização Mulheres do Salgueiro e está empenhada em dois objetivos: melhoria de sua renda e educação ambiental. Precisamente com sua nova máquina fabricará acessórios de pele de tilápia, peixe de água doce e salgada muito comum na região.

O material, Rosemere adquire de pescadores artesanais, que antes a jogavam no rio, onde demoravam cinco anos para se decompor. “Com a inundação fiquei arruinada”, contou. “Mas, nada melhor do que lutar e ajudar com palavras a educação do planeta”, destacou esta mulher de 48 anos, casada com um trabalhador de um estaleiro e com um filho e quatro netos.

Leila Menezes disse que as mulheres pobres são um dos grupos mais vulneráveis das tragédias ambientais. Por isso, dentro do combate à pobreza e da restauração da economia local, a Care dedica especial atenção a elas, porque, em geral, “são mães, que com sua própria atividade empreendedora mantêm em grande parte suas famílias”, afirmou. Esta psicóloga especializada em resolução de conflitos socioambientais, destacou que essas mulheres, quando “são equipadas com os recursos que necessitam, têm maior poder de recuperar o bem-estar de suas famílias”.

Por isto, apoiar a recuperação econômica das vítimas de uma tragédia natural, para dessa forma fortalecer sua capacidade de superação, é a resposta que permite “a transformação da realidade em que vivem, porque ajuda na restauração da economia local, no desenvolvimento social e no combate à pobreza”, acrescentou Leila. Também por isso, a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) do governo federal inclui desde 2007 entre seus eixos prioritários a questão do “desenvolvimento sustentável na perspectiva de gênero e a ampliação da justiça ambiental”, e procura incluir o conceito nas iniciativas implantadas pelos diferentes ministérios.

A ministra da SPM, Iriny Lopes, destacou à IPS que as mulheres são as que mais sofrem com as tragédias ambientais, entre outras razões, “por sua histórica condição de responsáveis pela produção e cuidado de integrantes da família, como crianças, idosos e doentes”. Irany acrescentou que “qualquer mudança que afete as fontes e os mananciais ou o acesso das pessoas à água, por exemplo, terá impacto direto na vida das mulheres, por serem elas que terão de trabalhar em dobro para conseguir o suficiente para a família”.

A ministra destacou outro fato que agrava essa situação, que são as dificuldades das mulheres para conciliar o trabalho doméstico e o trabalho remunerado, este último geralmente em piores condições profissionais e de salário do que os homens. Rosemere sabe bem dessas dificuldades e, agora que se transformou em ativista socioambiental, quer ensinar outras mulheres “a pescar e não somente receber o peixe. Porque a comida que se recebe de ajuda em pouco tempo acaba. Mas com um instrumento de trabalho se consegue tudo”, festejou, sorridente, mostrando orgulhosa sua máquina industrial, com a qual “vou costurar a pele do peixe”.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Gonçalenses voltam ao mercado

por Celso Brito, Jornal O São Gonçalo, 14/7/2011

Entrega aconteceu no Centro Social Itaúna, no Salgueiro (Foto: Sandro Nascimento)

Moradoras de São Gonçalo que perderam equipamentos de trabalho nas enchentes do ano passado, recuperaram suas ferramentas de trabalho após serem contempladas pela Care Brasil - ONG criada com o objetivo de combater a pobreza em áreas rurais e urbanas com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Foram escolhidas 114 mulheres, entre artesãs, costureiras e manicures, moradoras dos bairros Palmeiras, Salgueiro e Conjunto da Marinha, áreas que ficaram totalmente submersas durante a enchente ocorrida em abril do ano passado.

As contempladas, além de recuperarem a capacidade de trabalho, passaram por oficinas de gestão de negócios, com aulas ministradas por Patrícia Machado, uma das coordenadoras da ONG.

“Foi muito gostoso e gratificante estar com vocês. Que o sonho de todas se realizem”, disse Patrícia, durante o evento de entrega dos equipamentos, realizado no Centro Social Itaúna, no bairro do Salgueiro, ontem à tarde.

A costureira Marilena de Oliveira, 53 anos, uma das beneficiadas, disse que tudo para ela parecia um sonho.

“Tive que apreender até contabilidade, mas agora estou mais preparada para o trabalho”, disse.

“Agora vamos poder ir adiante. Recebemos uma grande oportunidade”, afirmou sua colega de profissão, Ana Lúcia Cardoso, 40.

terça-feira, 12 de julho de 2011

CARE Brasil doa ferramentas de trabalho para 114 mulheres de São Gonçalo

por CARE Brasi, 12/07/2011
As grandes enchentes que castigaram o estado do Rio de Janeiro em abril de 2010 atingiram o município de São Gonçalo, afetando milhares de pessoas. A cidade é a segunda mais pobre do Brasil, possui um dos maiores índices de violência do país e representa um cenário muito vulnerável a emergências. Com o desastre, 114 mulheres moradoras de São Gonçalo e empreendedoras autônomas (manicures, costureiras, artesãs etc.) perderam suas ferramentas de trabalho, com as quais mantinham sua atividade profissional e seu sustento.

Com o objetivo de restabelecer a economia local, promovendo o desenvolvimento e garantindo a adaptação da comunidade atingida, a CARE Brasil vai repor a capacidade produtiva dessas mulheres, entregando a elas 150 equipamentos diferentes, como máquinas de costura (25), tanques de lavar roupas (17), carrinhos para vendas de alimentos (20), computadores (4), impressoras (4), liquidificadores (6) e freezers (2), entre outros.

A entrega dos produtos acontecerá no dia 14 de julho no bairro Salgueiro, em São Gonçalo. E, além da doação, todas as mulheres beneficiadas participarão de uma oficina de gestão de negócios nos dias 12, 13 e 14 de julho. A equipe da ONG, em parceria com organizações locais, montou um comitê de seleção e foi a campo para realizar um minucioso levantamento e escolher as beneficiárias.

“A ação é o melhor exemplo do esforço da CARE Brasil na reconstrução do município, como resposta ao desastre precipitado pelas fortes chuvas que atingiram o estado do Rio em abril de 2010, sempre com foco nas mulheres”, afirma Leila Menezes, coordenadora do Programa de Mudanças Climáticas e Resposta a Desastres, da CARE Brasil. “Nossa ação beneficiará pequenas empreendedoras moradoras de áreas de risco dos bairros mais vulneráveis. Elas receberão itens produtivos customizados, ferramentas de trabalho especificamente selecionadas para a necessidade de cada uma e de seus empreendimentos. Mas, além dos materiais e equipamentos, as mulheres também receberão orientação empreendedora para fortalecer as capacidades e habilidades necessárias para o desenvolvimento de seus negócios e a ampliação de suas rendas, bem como encontrarão oportunidade para refletir sobre a necessidade de ampliar sua capacidade de resistência às futuras enchentes”, explica ela.